Luiz Gonzaga Kedi Ayrão nasceu na cidade do Rio de Janeiro, no bairro de Lins de Vasconcelos, originário de uma família de artistas. O avô paterno era maestro, compositor e professor de música. Daí, certamente, a vocação para compor. Do lado de sua avó herda o veio artístico para os versos e a poesia. Seu pai, assim como seus tios nas horas de lazer, dedicavam-se a compor, cantar e aos instrumentos musicais e, freqüentemente, todo o clã se reunia nas residências dos mais velhos. Vez por outra, era possível encontrar nas rodas de choro, mestres da música popular brasileira, amigos da família, como Pixinguinha e João da Bahiana, dentre outros. Nesse ambiente, a inclinação para a arte era inevitável. Ainda ao tempo dos bancos escolares, já contava com a admiração e o incentivo dos colegas pelo sucesso que faziam seus cadernos cheios de letras e melodias de sua autoria. Coincidentemente, nessa época, veio morar no seu bairro, recém-chegado do Estado do Espírito Santo, aquele que pouco mais tarde iria se tornar o maior ídolo da então chamada Música Jovem: Roberto Carlos.

Em meados da década de sessenta, explode a Jovem Guarda — movimento musical que dominaria todas as paradas de sucesso. Nossa Canção (1967), gravada por Roberto e por ele regravada ao vivo em seu CD/99, torna-se um grande êxito e solidifica a carreira do novo compositor. Era o primeiro sucesso romântico da carreira do Rei.Outros viriam ainda na voz de Roberto Carlos, como Ciúme de Você (1970), relançado por Zizi Possi (1990), pela Banda Raça Negra (1994 e 1999) e recentemente pelo jovem cantor Filipe Dylon, voltando aos primeiros lugares de execução e vendagem em todo o Brasil. Em 2003 e 2004, Nossa Canção ocupa também os primeiros lugares nas vozes de Maria Bethânia, (“Maricotinha ao vivo”), e Vanessa da Matta (trilha sonora da novela “Celebridade”). O cantor Daniel acaba de regravar Os Amantes, para a trilha da novela “América”.

Os shows do artista vão sendo cada vez mais requisitados por todo o Brasil. Novos discos são lançados revelando sucessos anuais e consecutivos. Êxitos de 1º lugar nas paradas, como: Conto até Dez — Quero que Volte — Reencontro — O Lobo da Madrugada — Mulher à Brasileira — Os Amantes (gravado em espanhol por Luiz em seu primeiro disco para a América Latina) — Amor Dividido — A Saudade que Ficou - O Lencinho (lançando pela 1a vez em disco comercial, vozes infantis cantando samba: “Os Canarinhos de Petrópolis”) — Bonequinha — Meu Canarinho (para a copa de 82) — Águia na Cabeça — Separados — dentre outros inúmeros sucessos que conferiram ao cantor, discos de ouro, platina e diamante, dentro e fora do país, conduzindo-o a apresentações nos Estados Unidos, Europa, Japão e quase toda a América Latina.

A música de Luiz atinge o país de norte a sul, qualquer faixa etária e social. É, de fato, a Música Popular Brasileira. Em 1996 o artista ultrapassa a marca dos 4.000 shows realizados. Para comemorar a marca alcançada, a Globo-Polydor (Som Livre) lança seu 22o álbum. Desponta nas paradas, Renda Negra. Simultâneamente, a gravadora EMI põe no mercado dois volumes da série Meus Momentos, contendo grandes sucessos em gravações originais remasterizadas. A mesma EMI, em 1999/2000, traz de novo a série Meus Momentos. Dessa vez com os dois CDs em um só estojo. Lança também, paralelamente, mais sucessos em uma outra série: Raízes do Samba. No começo de 2000, Luiz estréia na carreira literária com seu romance: O País dos meus anjos, Editora Record/Nova Era.

Em setembro de 2004, um trabalho diferente de todos que havia feito: o CD – Luiz Ayrão – Intérprete – pela Mac Records, contendo 14 clássicos da MPB dos anos 30, 40, 50 e 60. Sucessos de Ary Barroso, Tom e Vinícius, Noel Rosa, Lupicínio, Cartola, Maysa, Pixinguinha e Braguinha, dentre outros. As Rosas Não Falam, Carinhoso, Ouça, Último Desejo, Risque, O Meu Nome É Ninguém, A Deusa da Minha Rua, Lábios Que Beijei, Neste Mesmo Lugar, são algumas das pérolas. No início de 2005, mais dois CDs: pela Gal/Sony, Luiz Ayrão - 20 Supersucessos, com seus maiores hits em regravações respeitando os arranjos originais, e outro, de carreira, pela Gravadora Atração cujo título é – Luiz Ayrão – Inéditas e Sucessos ao Vivo.

Em 2005/06 Luiz continua viajando por todo o país realizando seus shows e passa a integrar a banca de jurados do Programa Raul Gil, seu amigo de longa data. Dedica-se, em 2007, a se reciclar nos instrumentos que toca e, principalmente, a compor para o próximo CD. Escreve mais um livro: Meus Ídolos e Eu, onde são retratados inúmeros ícones da MPB, com seus casos interessantes, pitorescos e inusitados acontecidos em shows e viagens. Em junho de 2008, conclui o CD “A Vida é uma festa”, com músicas inéditas, alguns de seus sucessos e de outros artistas consagrados. O CD será lançado juntamente com o livro. Novo disco e livro. Novos desafios na vida desse colecionador de amigos e sucessos.

Página 1 de 3123