Nascida no Rio de Janeiro, começou a estudar piano aos seis anos de idade.

Em seguida apresentou-se em programas de calouros em rádios e ganhou uma bolsa de estudos para o Conservatório Brasileiro de Música.

Aos 15 anos estreou profissionalmente como crooner da orquestra de Permínio Gonçalves.

Mais tarde cantou nas boates Bacará (com o trio de Sergio Mendes) e Bottle's Bar.

Em 1965 alcançou grande sucesso no show "Gemini V" atuando com Pery Ribeiro e o Bossa Três na boate Porão 73, lançado em disco gravado ao vivo.

Depois de uma temporada de sucesso na Argentina, foi para o México, onde viveu por cinco anos.

Gravou discos mais chegados ao samba e à música de vanguarda, nos anos 70, como "Alvoroço" (73) e "Leny Andrade" (75). Em 79, na Columbia, gravou o LP "Registro", voltando ao samba-jazz, seara muito particular que Leny sempre dominou com maestria.

Cantando ao lado de artistas como Dick Farney, Luiz Eça, Wagner Tiso, Eumir Deodato, Francis Hime, Gilson Peranzzetta e João Donato, Leny Andrade firmou-se como a maior cantora brasileira de jazz, conhecida por sua notável capacidade de improvisação.

Nas décadas de 80 e 90 dividiu-se entre o Brasil e os Estados Unidos, onde gravou vários discos de samba-jazz, dentre os quais o clássico "Luz Neon", pela Eldorado. Dedicou ainda discos a compositores de samba, como Cartola e Nelson Cavaquinho. Lançou também CDs em parceria com instrumentistas de prestígio, como Cesar Camargo Mariano ("Nós"), Cristóvão Bastos ("Letra & Música/Tom Jobim) e Romero Lubambo ("Coisa Fina"). Gravou ainda um CD apenas com standards norte-americanos, em ritmo de bossa nova ("Embraceable You").